sábado, 4 de março de 2017

Sou Pássaro





Pelo mundo perambulei
Cansada um dia parei,
E como pássaro,
Na poesia pousei.

As faíscas materializam-se
E caminham na esfera palpável das artes.

A construção criativa coloriu 
O panorama do meu consciente
Fazendo meus ideais poéticos 
Como uma obra de arquiteto.


Tomando formas, criando imagens,
Dançando ao vento,
Flautas soltas soltam notas musicais,
Acompanhada por véus esvoaçantes.

Dora Dimolitsas







O banho da noiva

A visão da pele nua
Desperta paixão.
Com perfume de rosas soltas.
Feito pétalas macias
A noiva desabrocha,

E com seu corpo nu
Banha-se suavemente
Perfuma liberando seu aroma
Despertando cobiça...

O banho possibilita um grande
Bem estar, suave e prazeroso.
Impregnando a imaginação.
Em trajes de noiva belo e suave

A noiva segue para os braços de seu amado, 

Cumpre o caminho escolhido
Perpetuar a vida ao lado
De um companheiro

                                                      Dora Dimolitsas
NOS  BARES
Nos finais de semana bares lotados.
À noite, bandas de garotos
Iniciando uma carreira promissora,

Demonstração de talentos.
As luzes piscando,
E jovens adolescentes
Com seus ficantes.

A noitada começa,
Dança agarradinho,
Cochicho no ouvido
Dança sensual faz a garotada suspirar.

Sedução é parte da noite,
Fala macia, e a noite chama cama.
Aos pais, a incerteza e espera anciosa,
A quase certeza do neto chegando.

Dora Dimolitsas


quinta-feira, 2 de março de 2017
















Saudade


Belezas mostram 

Ondas que vai e vem


Raios de sol na água,



E reflexos luminosos,


São perolas da naturez


E nós leva a reflexão, 



Transporta lendas


Fazendo da vida um momento, 

E do momento uma vida,



A saúdade, é igual a agua,


Trasparente  e refletirá sempre


A imagem da pessoa ausente.




Dora Dimolitsas


quarta-feira, 1 de março de 2017


  











AURORA DEUSA DA MANHÃ


 
Aurora, deusa da manhã.
Abre o sol,e vem montada

Em Cavalos brancos,
Saúda as dríades;
Encanto de Orfeu;
Inspira, Fidias, e Homero.

Acompanha Vênus,e as graças,

Dão as mãos em danças de boas ações;

Enche os corações de encanto e vida
Musas em pégasos


Protegem as artes, ciências, e letras
Na fonte de Hipocrene. 


Doroty Dimolitsas






Doroty Dimolitsas

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Tua essência de luz
Esconde a força
E o movimento
Que vibra em ti

Contidos na
Harmonia.
De tua d
ensidade
(Dora Dimolitsas)

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017



 Um video  bem interessante  espero que vcês gostem  de

nosso trabalho no Centro Cultural São Paulo

Um poema para todos os meus amigo
comemorativo a Zumbi dos Palmares


Zumbi dos Palmares O Pilar,
Onegro guerreiro que grita que fala
É palmeira, sem eira nem beira
Vagabundo no mundo,

Açoitado , coitado
Aquimera de uma era
Fortaleza de uma nação

Cada negro carrega no peito
O orgulho da pele,do sangue que sangra,
Que pulsa que grita Zubi dos Palmares ,O Pilar,

O negro guerreiro do sangue que pulsa,
Que grita, e agita.
É o Atlas negro,

A espinha dorsal,no meio do milharal,
Ou do cafezal ,
Na senzala e na sala.
Só se fala do mala ,

Daquele que fala,
Que grita, e agita.
Mesmo sabendo que pode
ficar sem as tripas.

Dora Dimolitsas
nenhuma marcação com mais um
3 comentários

https://youtu.be/SZL8jDv1ddU

https://youtu.be/SZL8jDv1ddU

https://youtu.be/007R2xQ35ZQ

https://youtu.be/_JhGGQpSGuY


Ganhei este poema e com carinho publico em gratidão.

Amizade


À Amiga Poetisa
AmaDORAda DORA Dimolitsas,
Na poesia também on-line,
Excelsa rainha,

Das belas letras,
Farol - alfa-estrela,
A exuberante e querida DOROty,
Com olhar de argúcia

De olhos - di-amantes,
Quais os dos argonautas,
Que vêem o denso, o profundo,
O alto, o rico e o distante,

Pois, grega também
Até no sobrenome,
Dedico essa homenagem,
Em é-ternizante tributo

De gratidão pela,
De seu níver, passagem.
Um simples poema
Para sua real diadema.


Ela é da escol
Dos que sentem
Um coração a pulsar
Por detrás de um monitor,
E, sem hipocrisias,
A sério o levar,
Crente praticante que o Amor
Se manifesta em
Várias modos de Amar



Pela sua presença esperante,
Os amigos lhe brindam,
A você, tenaz e perseverante
Que nos asseVERA ser preciso
No oceano da vida
Persistir navegante.

A despeito de TEMPoral,
Conquistando o valer a pena
Almejar viver, não a banal,
E, SIM, a vida plena,
Não a venal,
A burguesa pequena,
A TEMPo e a contraTEMPo.


DORA não deita palavra fora.
De seus lábios emanam
Vera jóias raras:
Conselhos prudentes e sábios,

Versos sintéticos e concisos,
Do prazer e da DOR,
Que modela e molda,
Mestra da vida, mor,
Ex-peri-enciados e exAURIdos.


Da Avenida Paulista,
PULMÃO da DesvAIRada,
E frenética Paulicéia,
Recita a neomoderna artista.


Ela, Delmundo Poetisa,
deCLAMA e canta
As dores e as alegrias,
A-com-PANha e encanta,
As ESPERANÇAS e melancolias

Do seu quintal
E do mundo global-
Izado, com sentimento
De coração grandioso,
As, deles, odisséias,
Esperançoso
Nas suas epopéias
Rumo à Terra
De Justiça social
E sem guerras.




---À DORA, com(o) afeto e carinho; 11/03/08, n.º 1341. Formatação de imagem por Stela Emilia Gusmão.

Gabriel da Fonseca



domingo, 26 de fevereiro de 2017




Hoje  deixo para vocês,um video do yutube falando um pouco do que é História Cultural,
assim,  pouco a pouco vamos discutindo sobre Cultura, conto com vocês ,e suas opiniões

https://www.youtube.com/watch?v=6qyyIcPGpEQ





 E aqui deixo meu poema de hoje.


O cume a ser atingido
Causa frenesi no imaginário político.
Consciências sem limites,



Desejos centralizador,
Igual a serpente.



Santo do pau oco
Humilham e desabonam
Seus leitores



Estupram os estados.
E com com suas canetas
Chicoteia o povo que o elegeu.



O povo se debate buscando
Se defender do poder
Centralizador, o mesmo que ele  elegeu.



Dora Dimolitsas












O Poeta e a Boemia



O poeta ergue a taça
Flutuando na madrugada
Brindando a poesia e a boemia.

Onde o som das letras musicais
Reflete a luz da esperança.
Da arte verbal.

Num simbolismo metafórico
Das imagens abstratas
As cores do arco-íres

A luz deixa na água
No reflexo das árvores
Um beijo sem fim.
Tin-tin
Dora Dimolitsas