sexta-feira, 31 de março de 2017
















Está sou eu, a Mulher.
Quem sou

Sou coração, furacão e vulcão.
Sinto a vida pulsando
Como se cada célula falasse.


Sou amor, flor e dor.
Bela, áurea etérea da Terra
Lágrima de saturno.


Sou germe invisível
Átomo perdido no universo
Terra, da espécie humana.


Sou potência invisível, humana.
Impulsiva, audaciosa e esotérica.
Pou princípio e força invisível.


Sou imagem e eclosão
Da humanidade terrestre
Eu sou a Dora.

quarta-feira, 29 de março de 2017






Dizem que poeta é pássaro
Já tentei voar em esquinas,
e noites que não é agora,


Procuro o sol que falta nas ruas alagadas
Nas casas desfeitas, nos cadáveres arrastados,

Mantenho-me com os pés no chão

Gosto de sentir o pó, o mesmo pó de onde venho.
Minha parcela imperfeita, esboço rasgado
Pássaro cansado, já tentei voar


Em dias que não é agora.

Onde o silencio é aurora
As sombras não ficam de fora


O preto e o branco são iguais
Tento entender o que o mundo nos faz,
Se sou poeta, e sou pássaro,
sou pássaro enjaulado.



Dora Dimolitsas

terça-feira, 28 de março de 2017



Prosa
Existem momentos em que somos surpreendidos
pela vida, e um turbilhão de fatos nós envolve de tal
maneira que sentimos tirado o nosso chão.

Como a falta de vácuo, tudo fica suspenso,
 nossa própria coordenação fica automática.
fazemos as coisas ,como um mero robô,

claro que, pouco, a pouco voltamos a realidade
e dai tomamos as rédias das coisas, e voltamos a nós organizar.
e  nestes momentos  aprendemos novas lições da vida.

e o ritmo enferveceste volta a girar, em um mundo que nós parece pessoal, onde tentamos com a força de um gladiador segurar os freios,para logo sentir que somos meros expectadores.
Somos estranho em nosso próprio universo,a fragilidade de nossa existência vem ri de nossas determinações;
E é ai ,que nós colocamos totalmente nas mãos do grande criador,

Então sentimos a harmonia da sabedoria nós envolver
para assim, reconstruir uma nova direção.

Dora Doroty B J Dimolitsas

segunda-feira, 27 de março de 2017









O remanso silencia
Com o calor do entardecer
Uma brisa suave beija areia

E a espuma branca dorme suavemente

Para não quebrar o encanto
Mágico da natureza.

A noite convida deuses e homens
A uma reflexão.


Onde os amantes da noite

Contemplam extasiados
Momentos de comunhão
Céu, terra e mar.


Dora Dimolitsas