sábado, 17 de novembro de 2007

As Ruas do Mundo


<

As Ruas do Mundo

Andei solitária nas ruas do mundo,
Vi-me refletida no espaço etéreo da luz
Como pássaro sem assas levitei,

Encantada e solitária caminho.
Na visão do infinito
O planeta azul eu abracei...

Sou mulher alada,
Felina, e guerreira...
Solitária caminho

Ao encontro de minha memória astral,
Minha química cósmica,
Reverenciando o altar sagrado da luz

Dora Dimolitsas

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

UM CARINHO DE MINHA AMIGA SONINHA PORTO




P A L A V R A S

alimento da mente
a morder rimas

trituram o nada
e prosas criam vida

viram rosas
cálidas profecias

no meu verso
dizem tudo

e fazem de mim
poesia

Soninha Porto
Beijos, meu carinho de sempre.

GERÂNIO








SOL NA ATLANTIDA




Gerânios mistérios
Gerando flor irradiando, sol,


---------------G------------ G-------------M
-------------E----E------------ E--------------I
-----------R- -------R----------- R-------------S
---------A-------------Â----------- A-------------T
-------N-----------------N-----------N-------------E
----- D---------E----------I------------D--------------R
----O-- ----------------------O-----------O--------------I
-------- ------------------F-------L---------O-----R--R---A
------ ----S--------------------------Z --------------D--------I
--------O-----O------------U---------------------A-------------N
----L-- ----------L------------------- ----------D--- ----------- ---O

A DAMA DE VERMELHO

img_title

Pegue mais imagens de Gostosa em ---> Recados.net


Clique Aqui para Recados, Imagens & Graficos Para Orkut

A Dama de vermelho

Estava distraída e
Quando virei fiquei ali deslumbrada.
Com a visão da dama

A Dama de vermelho
Cabelos, sapatos bolsa, e unhas.
Seu vestido tinha uma abertura até a altura da coxa
E mostrava um par de belas pernas.

Ela estava ali parada me olhando
Fiquei boquiaberta
Até o seu pingente era vermelho.
O vermelho tremulava em minha frente.

Perguntei então o que representava?
Sem esperar ela respondeu
Represento o coração,
O coração das mulheres do calçadão.
Dora Dimolitsas